segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Acordei de sonhos matinais com seu pálido rosto na cabeça. Não lembro do sonhos, só do seu rosto. Talvez porque sua aparência seja doce, sincera, pura. Talvez seja um forma de fugir da dores que tem me rodeado nos últimos dias.

Dores, dores dores...

Escrevo sobre pois sei quem são, não sei quem eu sou. Trocaria físicas por emocionais mas, no meu caso, uma sempre acaba levando à outra.

domingo, 25 de maio de 2014

Medo do mesmo.

Sou o eu no outro, o outro em mim.
Meu medo do outro só me mostra meu medo de mim. 
De me conhecer:
Reconhecer o que há de animal - em mim. 
Animalizar os outros - me sentir superior. 
Tão racionalmente tolo que não percebe: 
A fonte da que bebe é pura, mas não mata sua sede. 
Você não percebe: 
o maior defeito do outro é se parecer com você.

Lua

Te quero no escuro.
Nu, puro.
Quero tocar tua pele,
tua barba na minha nuca.
Nuca, nuca, louca.
Eu e você debaixo da lua, brincando de nos esconder.
Escondidos no acaso.
Amamos sem tempo, medida ou porquê.

domingo, 20 de abril de 2014

Sorridente ao ver você.

Me fiz a artista que você me vê pra poder te mostrar como eu te vejo. Misturei as nossas cores favoritas, me fiz a artista que você me vê. Você é poesia, uma das pessoas mais lindas desse mundo. Eis a celebração do que és pra mim, uma inspiração, você me transborda, me faz perder o medo de morrer afogada na poesia que há no mundo. Você torna o mundo mais lírico e feliz, te amo Ivan, sou sortuda demais de ter um amigo como você.