segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

    E se eu te disser que tens belos olhos? Seus cílios alongados e seu olhar doce tornam o amanhecer ao seu lado mais agradável. Os olhos são tão doces quanto você, carinhosos e mansos, misteriosos também. Você acariciando meu cabelo pra me acordar, ou beijando meus ombros quando o cafuné não funciona. Teu carinho te segue em todos os teus atos, principalmente em teu olhar.
  
                                                                                 ...

                                        Seus olhos me deixam mais perdida do que eu jamais estive.
                                                                                 
                                                                                 ...
    

     Outra coisa que torna o amanhecer ao teu lado melhor é a barba mal feita, aquela que tu nunca deixas crescer (mesmo com meus pedidos infindos), mas que me rouba arrepios e sorrisos pela manhã.

[pedaços de uma carta aos belos olhos]

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

(Des)sonolência 1

Vou escavar meu peito pra sangrar esta paixão profana,
E assim voltar a minha insana convicção de que poeta não ama.
Carrega consigo o peso do mundo,
Pois prosa lhe cabe, mas dos verdadeiros sentimentos
é privado, banido, gozado.

Poeta só sente a tristeza de falar e não sentir.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Não existe nada mais 'dolorido' do que um papel em branco.
Um papel em branco enquanto a mente enlouquece.
Um papel em branco enquanto o coração quase infarta.

As ideias se mostram impotentes,
O papel duro demais não dá brechas.
Não existe nada mais duro do que um papel em branco.

Porque pra quem já aprendeu a escrever fazendo verso
Nada dói mais do que a impotencia de fazê-lo.
Porque rima é diversão, distração de quem faz.

Um papel em branco é um coração que não sabe mais amar.