domingo, 27 de março de 2011

O poeta.



O poeta cansou da fantasia, mas quando começou a viver conheceu as lágrimas.
O poeta, agora tão triste, vivia chorando, olhando pra o nada.
Com sorriso sem graça preenchendo a face,
Pintou as bochechas de vermelho escarlate.
Por baixo de roupa pitoresca, fugiu do mundo que vivia,
esqueceu quem conhecia, e começou a fazer os outros sorrirem.
Passou a sobreviver de pequenos momentos de êxtase,
nos quais sorria pelo fato de divertir,
O poeta virou palhaço, fazendo a alegria se expandir,
Se sacrificou pelo mundo, passou a chorar e fazer sorrir.

Marina Moura

segunda-feira, 7 de março de 2011

Carnaval Também é milagre!

Sabe, existem muitas pessoas por aí que assustam com a quantidade de coisas ruins que acontecem no carnaval, e julgam a festa como coisa do demônio ou algo assim. Pois fiquem sabendo que carnaval também é milagre!
É tempo de quanta ladeira, de galo, de folia, de 50 mil pessoas (ou mais) cantando a mesma coisa, é de arrepiar, é cultura, é vida e milagre. Apesar dos pesares é milagre.