quarta-feira, 7 de dezembro de 2011


Essas madrugadas quentes de dezembro me lembram de você. Lembram-me que você fazia valer a pena passar essas madrugas acordada, pois me fazia sorrir. No vazio silêncio da noite a única coisa que eu ouvia era sua risada ao telefone, sua voz meio rouca que até hoje me deixa meio boba. Acho que não fomos feitos para ficarmos juntos. Nosso amor é feito de desencontros, não dura quando estamos juntos, mas quando só nos amamos sem sequer nos tocar ele permanece, permanece na saudade, no sonho de te ter por perto de novo, de te escutar falando besteiras até amanhecer, e discutir besteiras. Eu sinto sua falta, sentirei sempre. Você sumiu, e as recordações que ficaram deixo para ter nas madrugadas quentes de dezembro. 

- Marina Moura.

domingo, 15 de maio de 2011

Competição x Competição

Competição eis o combustível de grande parte do mundo. Um grande estímulo, isso ninguém pode negar, competir e ter a possibilidade de ser o melhor, de se destacar, de ter mais nos estimula a dar sempre o melhor de nós. A competição pode até ser um método de aprendizado, a oportunidade de se destacar intelectualmente e ser colocado em uma sala para 'alunos especiais' é um exemplo disso.
Mas, a competitividade extrema gera um egoísmo exacerbado, típico de sociedades 'capitalistas extremistas' como a nossa, esse fator egoísmo tem aumentado a cada dia e só não se mostra tanto por culpa da valorização do politicamente correto, ser bonzinho e passar uma boa imagem ultimamente é um 'fator' que muitas vezes é considerado na valorização dentro de uma empresa, ou até mesmo em meios públicos. O que era questão de caráter hoje em dia é estratégia de marketing.
Chega a ser irônico, pessoas com objetivo de chegar ao ápice de sua carreira, fazendo de tudo para chegar ao topo, passando por cima de todos por debaixo dos panos e por fora mostrando-se boas, politicamente corretas, e na maioria das vezes imparciais. Competir não é ruim, é um estímulo a mais e nos mostra que podemos nos superar, o que nunca faz bem a ninguém são extremos e as mentiras, por mais moralista que isso pareça, é verdade.

domingo, 27 de março de 2011

O poeta.



O poeta cansou da fantasia, mas quando começou a viver conheceu as lágrimas.
O poeta, agora tão triste, vivia chorando, olhando pra o nada.
Com sorriso sem graça preenchendo a face,
Pintou as bochechas de vermelho escarlate.
Por baixo de roupa pitoresca, fugiu do mundo que vivia,
esqueceu quem conhecia, e começou a fazer os outros sorrirem.
Passou a sobreviver de pequenos momentos de êxtase,
nos quais sorria pelo fato de divertir,
O poeta virou palhaço, fazendo a alegria se expandir,
Se sacrificou pelo mundo, passou a chorar e fazer sorrir.

Marina Moura

segunda-feira, 7 de março de 2011

Carnaval Também é milagre!

Sabe, existem muitas pessoas por aí que assustam com a quantidade de coisas ruins que acontecem no carnaval, e julgam a festa como coisa do demônio ou algo assim. Pois fiquem sabendo que carnaval também é milagre!
É tempo de quanta ladeira, de galo, de folia, de 50 mil pessoas (ou mais) cantando a mesma coisa, é de arrepiar, é cultura, é vida e milagre. Apesar dos pesares é milagre.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

a parte brega do amor.



Eles eram um casal, no início da adolescência ainda podiam considerar-se meio donzelos e imaturos pelo modo que agiam, brigavam as vezes, mas se gostavam demais e tinha necessidade um do outro. Ela apaixonou-se por ele em uma madrugada, nela os dois foram a praia escondidos para ver o Sol Nascer, ficaram conversando bobagens a madrugada toda, e antes do Sol aparecer os dois puderam ver os primeiros raios aparecerem no céu, eles deixaram o céu com um aspecto rosado.
Então ele virou para ela e disse: 'Olha só amor, o céu está rosa pois o Sol ainda está nascendo, e como um amor em seu início mostra-se rosa, doce, lindo e vulnerável. Então o tempo vai passando, a cor vai amarelando, o amor mostra-se mais real, mais firme, não é só uma paixãozinha boba, está firme, e apesar de não ter mais a beleza estonteante do início, tem a beleza real da vida. Assim é o nosso amor ainda está rosa, mas, um dia será firme e real assim como o Sol.

Só pra matar a saudade.

E tudo aqui escrito, É apenas uma lembrança. De algo que talvez nem tenha sido vivido, De algo que talvez tenha sido um sonho. Mas é o que eu trago de herança. É tudo que eu disponho. Viagens nunca feitas, Amizades desfeitas, Pazes refeitas. Em cada mentira, um pouco de verdade, Algo imaginário ou da realidade. Nunca é muito cedo, Nem muito tarde, Mentira ou real, Pra mim é verdade.

- marina moura.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Egoísmo próprio e sentimentalismo barato.



Eu preciso de um tempo pra mim. Preciso de um tempo apenas para mergulhar em minhas próprias idéias, ouvir os ruídos asquerosos da minha alma, pensar. Sentir os sentimentos que guardei na gaveta por pura vergonha de demonstrar meu sentimentalismo barato. Preciso dessa solidão para lembrar-me das coisas que esqueci. Para apreciar e saborear cada pedaço de qualquer sentimento que exista aqui. Parar um pouco de pensar nos problemas dos outros. Ser apenas eu, em minha forma mais pura. Sincera comigo mesma sobre o que sinto. Um pequeno momento de egoísmo, um tempo pra pensar, só isso.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

ideias e ideais.



São só ideias,
Ideias Borbulhando na mente,
Sem donos sem gente;
São ideias sem dono sem admirador
Ideias surrupiadas, sem o mínimos pudor.
São ideias de ideais presos na liberdade.
Sem nada de diferente apenas a ideia de igualdade.

Marina Moura