segunda-feira, 29 de maio de 2017

Elis

sempre nos vendem
o novo como bom
nos escondem:
novidade é desconforto.
os novos dos quais gostamos,
na verdade,
são velhos sabores requentados.

a novidade de verdade é feita de gostos que ainda temos que aprender a sentir.

não são ruins!
mas nos são difíceis,
assim como linguagens das quais só sabemos as vogais.
e apesar de sentirmos uma
quase necessidade
de aprender a ler
isso parece nos dar muito trabalho.

é mais fácil repetir,
maquinalmente,
versos que não arrepiam mais nosso coração
do que aprender a ler,
e significar,
o amarelo das luzes que arrepiam o rio.

Nina Moura - 26/05/17

terça-feira, 5 de abril de 2016

Voz

Não deixarei mais que duvides de mim!
Estou farta de ser
D U V I D A D A.

Não deixarei mais que tenhas a força
de me manter fraca,
muda, inerte, calada.

Seu orgulho de macho não podará minha fala.
E grito: ACEITE!
Negras periféricas não são suas mulatas.

Não permitirei que tentes me arrancar
a voz rubra que entoo,
pois quando falo sangro a luta
de todas que morreram para que eu pudesse falar.

Não deixarei que você me cale!
Continuarei acreditando na minha voz,
não adianta mais tentar me deslegitimar.

Contra gritos que me chamem de louca,
risadas que tentem ridicularizar minha o que digo:
Irei falar!
Contra todas as caras feias e bocas tortas,
até que TODAS conheçamos o poder da nossa voz.

sexta-feira, 19 de junho de 2015

abuso

De tanto carinho e cuidado que nutria pela caneta

     - Lembraça órfã de pessoa que já se foi -
deixava a caneta parada.

         guardada,
         sozinha,
         parada.

ABSURDO!!!!!!

Deixa a caneta escrever!
Se não ela deixa de ser caneta,
passa a vida sendo sem ser.
A melhor parte da vida é a que fica viva na gente.
     o tempo não deixa acontecer mas a gente

                                                                     Sente.
A essência que completa o quase.


A melhor parte da vida são as reticências.
                    beijo roubado na fim da tarde.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

IED

Palavras, sempre ambíguas e vagas. Passeando pelo mundo.
Devagar, divagando pelo espaço que lhes pertence.
Espaço que não sabem bem,
Ocupam ou é
                        vago?
Válido - se não vago - caberá em seu espaço.

Se culpam pela perda do espaço
                           Não sabem se ocupam.
Ocupando mais ou menos espaço, se não válido
                 Eficaz.

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Vermelho

Sobre os tons que vejo por aí:
               Sóbrios tons de azul.

Sobretons que você não vê, mas sente:
                                          Feliz.

Sente mais sonoros sons,
meios-tons: azuis,

                           na cidade
Sozinha ouço sons,
vejo teus tons de poesia por todo lugar.
tons e sobretons que não são pra ver

Nem ouvir.

                Tom é feito pra sentir.

sábado, 11 de abril de 2015

Um belo dia pra fichar.

O céu azul com nuvens quebrando sua exatidão.

que belo dia pra fichar.

Calor lá fora, gente nova, um mundo estranho pra conhecer.

que belo dia pra fichar.

A praia com areia, sombra, água de coco e camarão.

que belo dia pra fichar.

A vida cheia de cores, sons, coisas novas pra ver.

que belo dia pra fichar.